The spaces inhabited by women in Capitães da Areia of Jorge Amado

Héctor Andrés Rojas

Abstract


The present article analyzes, from a gender perspective, the spaces inhabited by women. For this reasons, this article focuses on the different female characters that appear in Capitães da Areia (1937) by Jorge Amado, who are represented with decision power over their lives as they have an economic capital. Dora, the only girl that integrates the band, stands out among the women represented in the novel. When Dora arrives to the group, children have already sought compensatory strategies to avoid being in a vulnerable position, but the cost of this forced growth is the lack of ideals greater than survival. Then Dora, who at a symbolic level reproduces some characteristics commonly associated with women, such as being the mother of some children and wife of Pedro Bala, is the one that makes possible the political formation of Capitães da Areia, because while she is with them she achieves to make them kids again and grow up. Then, her presence, rather than compensating for marginality, remedies it.


Keywords


Chilhood; women; space; marginality

References


Amado. C. (2011). Capitães da areia. Imagem Filmes. DVD.

Amado, J. (2012). Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das letras.

Amado, J. (1984). Capitanes de la arena. Trad. Estela Dos Santos. Madrid: Alianza Editorial.

Arend, S. F. (2012). “Trabalho, escola e lazer” en Nova historia das mulheres no Brasil. Organizadoras Carla Bassanezi Pinsky y Joana Maria Pedro. São Paulo: Contexto.

Arend, S. F. (2012). “Trabalho, escola e lazer” en Nova historia das mulheres no Brasil. Organizadoras Carla Bassanezi Pinsky y Joana Maria Pedro. São Paulo: Contexto.

Armstrong, N. (1991). Deseo y ficción Doméstica. Trad.María Coy. Madrid: Cátedra.

Azevedo, C. A. (1983). “Literatura & praxis social no Brasil: O romance nordestino de 1930”. Revista de Crítica Literaria Latinoamericana N°17: 89 -104.

Bastos, I. S. (2009). “A visão do feminino nas religiões afro-brasileiras”. CAOS - Revista Eletrônica de Ciências Sociais N° 14: 156 – 165.

Brivio, G. (2005). “Representações sobre a prostituição feminina na obra de Jorge Amado: um estudo estatístico” Tesis para optar al grado de Mestre em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo. Salvador de Bahía Universidade Federal da Bahia. 250 pp.

Cândido, A. (1989). “A revolução de 30 e a cultura”. En su A educação pela Noite e outros ensaios. São Paulo: Ática.

Cândido, A. (2007). “O direito à literatura”. En Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades/ Ouro sobre Azul.

De Lauretis, T. (1996). “La tecnología del género” (Trad. Ana María Bach y Margarita Roulet). Mora N º2: 6-34.

Diniz, L. (2009). “A criança oprimida na literatura: A presença feminina nos bandos infantis em Oliver Twist de Charles Dickens e Capitãis da Areia de Jorge Amado”. Paraíba: II Seminário Nacional sobre Gênero e Práticas Culturais.

Federici, S. (2015). Calibán y la bruja. Mujeres, cuerpo y acumulación originaria. Trad. Verónica Hendel y Leopoldo Sebastián Touza. Buenos Aires: Tinta Limón.

Gomes, V. T. (2005). “O bando como a família possível: leitura plural de capitães da areia de Jorge Amado” Tesis para optar al grado de Mestrado em Família na sociedade contemporânea. Salvador de Bahía: Universidade Católica do Salvador. 98 pp.

Gómez, A. C. (2002). Capitães da Areia. Jorge Amado. São. Paulo: Ática, 1994.

Landes, R. (2002). A cidade das mulheres. Trad. María Lúcia do Eirado Silva (Original The city of women). Rio de Janeiro, Ed. UFRJ.

Lispector, C. (2011). La hora de la estrella. Trad. Gonzalo Aguilar. Buenos Aires: Corregidor.

Nunes, L. H. (2012). “A capitã da areia: como a personagem Dora do romance Capitães da areia, de Jorge Amado, é personificada no filme homônimo de Cecília Amado” II Jornada UFRGS de Estudos Literários universidade federal do rio grande do sul: 1-15.

Rossi, L.; Freitas G. (2004). “As cores e os gêneros da revolução”. Cadernos Pagu N°23: 149-197.

Scott, A. S. (2012). “O Caleidoscópio dos arranjos familiares” en Nova historia das Mulheres no Brasil. Organizadoras Carla Bassanezi Pinsky y Joana Maria Pedro. São Paulo: Contexto.

Spivak, G. Ch. (2009). “¿Pueden hablar los subalternos?”. Trad. Manuel Asensi Pérez. MACBA: Barcelona.




DOI: http://dx.doi.org/10.22370/rhv.2017.9.454

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2017 Revista de Humanidades de Valparaíso

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Licencia de Creative Commons

Instituto de Filosofía - Facultad de Humanidades - Universidad de Valparaíso
Calle Serrano # 546, Valparaíso. Chile - Fono: +56 32 299 5826